5.7.05

Soneto 130

Seus olhos em nada ao sol se parecem,
Seus lábios rubros, menos que o coral,
Se é branca a neve, os seios lhe escurecem,
Negro o cabelo, em fios de metal.
Vi rosas rubras, brancas, cor-de-rosa,
Mas nunca a face de rosas corada,
E fragrância há bem mais deleitosa
Do que o cheiro que exala a minha amada.
Gosto de ouvi-la falar, mas bem sei
Que a música apraz com mais perfeição.
Uma deusa a passar nunca notei,
Pois quando caminha ela pisa o chão.
Inda assim, o meu amor é tão raro
Como o que o desmente quando o comparo.

William Shakespeare.
Tradução de Manuel Portela.

1 Comments:

Anonymous B said...

i m o r t a l

9:12 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home