6.7.05

Não compares

«Não compares: o vivente é incomparável» é um verso de Óssip Mandelstam, poeta russo. Porque achei este verso banal, simples introdução ao que vinha a seguir no poema; porque achei forçado aquele «vivente», mesmo em russo; porque achei que, enfim, o meu poeta preferido poderia fazer melhor, não obedeci, tentei esquecer e continuei a comparar alegremente. Por que não me esqueci então do raio daquela linha? Porque é verdadeira: a poesia não serve para se comparar à vida, serve para dizer precisamente isso e tentar sobreviver na selva moribunda das palavras.

Filipe Guerra

1 Comments:

Anonymous o rui lage censurou os meus posts said...

censura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censuracensura censura censura

12:03 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home