1.7.05

Eu não acredito em bruxas dois

Como hoje já é amanhã, vou contar, por exemplo,

O Caso do Dicionário Grego.

Na Grécia, há um problema (há mais problemas, mas este também há).

E o problema é o seguinte: Salónica e Atenas não se dão.

Repare-se que Salónica era no princípio do século XX uma cidade muito mais importante do que Atenas. Nela vivia uma intensa comunidade sefardita, que falava ladino (mistura de português e espanhol, judeus fugidos da península ibérica), muitos turcos (entre os quais Kemal Ataturk, que veio a liderar a revolução laica que destruiu o Império Otomano), gregos propriamente ditos, etc.

E Atenas, o que era? Uma aldeia com 1500 habitantes, exangue, sem forças sequer para recordar as glórias passadas, Péricles e essas coisas.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Uma vez que a independência fora adquirida no século XIX, havia que fazer de Atenas a capital, o que se conseguiu com grande força de vontade. Quem hoje descer de avião sobre Atenas, verá o imenso a perder de vista(deserto? conglomerado urbano? outra coisa?) amontoado de betão. O que se chama em grego polikatikía, plurihabitação, isto é, prédios aos andares.

Ora, há em Atenas o AEK, onde pontifica o Fernando Santos, e que quer dizer União Atlética de Constantinopla eh eh eh. E porquê, União Atlética de Constantinopla? Eu pus-me a rir, mas porque sou burro. É que essa malta são "descendentes" dos pontos. São pontos, mas não é para rir. Os pontos, são os refugiados do Helesponto, quando os gregos tentaram explorar o sucesso da independência para invadir a Turquia e foram esmagados, tendo grande parte da população grega da Ásia Menor(sem desrespeito para a Ásia) vindo aterrar a Atenas (não só a Atenas, pois também nos arredores de Salónika eles foram acolhidos, mas foi para Atenas que a grande maioria acorreu, donde os hoje milhões de habitantes dessa capital).

Há também em Atenas um clube mais clássico, o Olympiakós, cujo nome é suficientemente expressivo.

Mas há, em Salónica, o PAOK, e que quer dizer? Panssalónico Atlético Clube de Constantinopla, precisamente. A história é muito mais complicada, mas foi no que deu. Os mesmos pontos, os mesmos refugiados, agora misturados em Salónica.

Só que há ainda uma história mais triste. Durante a ditadura dos coronéis, tudo o que era de esquerda, socialista ou, sobretudo, comunista, era apodado de búlgaro.

Hoje em dia, os de Atenas, para chatearem os de Salónica, que nunca perdoaram à capital ter-se transformado numa metrópole só porque era sede administrativa do país, chamam-lhes... imaginem... búlgaros. E é o que os sócios dos clubes de Atenas chamam aos fãs do PAOK.

Houve um grande dicionário grego que incorreu no erro de consignar num verbete esse apodo, com rigor lexicográfico a explicar que se tratava de designação depreciativa utilizada pelos adeptos do AEK e do Olympiakós para designar os seus rivais do PAOK.

Qual quê? Os deputados de Salónica e mais outros levaram o caso ao parlamento, editaram lei e o dicionário teve de reescrever o verbete.

4 Comments:

Blogger António Pedro Pombo said...

Muito interessante.

10:29 da manhã  
Anonymous cleite@scarlet.be said...

... mas que las hay. Só que em Atenas os do Panathinaikós são "lagartos" e os do Olympiakós são, bruxo!, como karpoúzia, isto só para imitar e fazer simetrias.
Fixe, meu?
Carlos Leite

3:10 da tarde  
Blogger Rui Manuel Amaral said...

E nós somos os bimbos. Não é, mouros?

4:13 da tarde  
Blogger Manuel Resende said...

Ó Rui, também estás paranóico? Olha que o Carlos Leite é fixe.

É do Porto, perdão, do Porto do Porto, isto é, de Trás-os-Montes.

Esta foi muito boa. Ouve lá, desculpa, se não percebi o teu comentário. Mas pareceu-me que também já estás a entrar em parafuso.

Nota,aliás,que percebo bem. Às vezes eu próprio penso que sou judeu de judeu, marrano, cristãonovo, alvo de desprezo não só de cristãos, mas também de asquenazes, e até, ó desgraça, de sefarditas.

1:12 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home