25.6.05

Say it with a ukulele

FOG

Say it with a ukulele

"Diz-lhe isso com um cavaquinho..."
O rouco fonógrafo grita;
Meu Deus, diz-me como o direi,
Se a solidão já me habita.

Com os acordeões que espremem,
Uns pobres, cautelosamente,
Clamam sem cessar pelos anjos
E seus anjos são tormento.

Os anjos abrem suas asas
Mas a névoa a terra cobre;
Deus louvado, que nos pilhavam,
As pobres almas como tordos!

A vida é fria pescadora;
- Assim vives? Que quer's que faça?
São tantos os que naufragaram
No fundo do mar oceano!

Os bosques parecem corais,
A que a cor tivesse fugido,
Os carros são como esses barcos
No fundo do mar esquecidos.

"Diz-lhe isso com um cavaquinho..."
Palavras, palavras, palavras?
Amor, diz-me onde o teu altar,
Que já me vai cansando este adro.

Ah! Fora a vida em linha recta,
Que bem levávamos a vida!
Mas nosso fado assim não quer,
E há que dobrar certa esquina.

E onde essa esquina? Quem o sabe?
Silêncio! A bruma não fala.
Iluminam a luz as luzes,
Trazemos nos dentes a alma.

Onde encontraremos consolo?
O dia trouxe a noite escura.
É tudo noite, é noite tudo,
Mas sempre encontra, quem procura...

"Diz-lhe isso com um cavaquinho..."
Recordo as unhas; e o verniz,
Como brilhava ao dar-lhe a luz!
E ouço-a ainda a tossir.

Giórgos Seféris
(Tradução: Manuel Resende)

4 Comments:

Anonymous mariagomes said...

ukulele... há africanidade no som desta palavra.

10:20 da tarde  
Blogger Manuel Resende said...

é do Hawai

dizem (dizem...) que foram os portugueses que levaram para lá o instrumento, o nosso cavaquinho.

ukulele quer dizer pulga que pula,pela velocidade dos dedos nas cordas...

Homenagem do Hawai ao O'Neill?

10:27 da tarde  
Anonymous mariagomes said...

(na palavra)

não me falem de ilhas,
a brevidade baloiça num rio redondo./
loucamente,
o inventário pertence a uma canoa de pássaros./
há tanto tempo.
hoje,
apenas hoje,
a preguiça presa ao sol
despontou.
de súbito, aqueceu a pedra
naquela língua
que lida

pula

pula

pula.

eu tenho na palavra uma pedra,
a língua que perdura.
há muito mar,
e os meus olhos nem azuis são.

mariagomes
26junho.2005

1:14 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

ando a abusar dos advérbios, onde se lê "loucamente", leia-se, por favor, "louco"

( é que depois os advérbios zangam-se e é um sarilho!)

2:37 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home