26.6.05

Poema de Safo

Como, depois de muitas buscas, não encontrei senão a versão inglesa truncada, aqui vai a sensacional notícia nessa língua. Um poema completo de Safo acabou de ser descoberto.

Vão aqui (se fazem favor, claro).

O poema é este, na versão de Martin West, que o apresenta no Times Litterary Supplement:

"[You for] the fragrant-blossomed Muses' lovely gifts
[be zealous,] girls, [and the] clear melodious lyre:

[but my once tender] body old age now
[has seized;] my hair's turned [white] instead of dark;

my heart's grown heavy, my knees will not support me,
that once on a time were fleet for the dance as fawns.

This state I oft bemoan; but what's to do?
Not to grow old, being human, there's no way.

Tithonus once, the tale was, rose-armed Dawn,
love-smitten, carried off to the world's end,

handsome and young then, yet in time grey age
o'ertook him, husband of immortal wife."

2 Comments:

Anonymous Margarida Vale de Gato said...

o corpo a velhice agora
mudado meu cabelo em vez de preto

Gosto mais sem os parêntesis. Leiga em grego, pergunto: como é possível reconstituir "once tender" em vez de outra coisa qualquer? Ou é entre as possibilidades que cabem no ritmo? Ou há vestígios de letras? Só por curiosidade.

10:32 da manhã  
Blogger Manuel Resende said...

Não faço ideia nenhuma como pôde ele acrescentar essas coisas nos buracos. Não conheço o original repescado dos papiros meio roídos.

Certo é que deve ter juntado as sílabas que faltam para a métrica em grego.

Claro que me soa melhor também como a MVG põe. Mas não foi assim que a Safo escreveu. Talvez fosse de deixar os buraquinhos, não?

Quem sou eu para o dizer?

10:28 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home