3.4.05

Portugal Grandeur Nature


fotografia de José Alves Teixeira

O artigo de fundo da "Terre Sauvage" de Março é dedicado a Portugal, anunciado na capa como "Portugal: o país onde a natureza é cor". Reza assim o cabeçalho do dossier: "De Portugal, conhecemos sobretudo o litoral atlântico e o Sul, muito ensolarados e... betonados. Mas o Norte encerra belezas ainda preservadas: a nordeste, o rio Sabor, um dos últimos ainda selvagens da Europa, e Foz Côa, grande sítio de arte rupestre a céu aberto; a noroeste, o parque nacional de Peneda-Gerês". Lá dentro, belíssimas fotografias de paisagens, fauna e flora, e sugestões de caminhadas em perfeita tranquilidade. Fica um pouco a imagem dos portugueses que vivem nessas regiões como "indígenas" radiosos por acolherem o amigo francês, fino e civilizado, como por exemplo em Lordelo, Gerês, onde existem "algumas casas dispersas pela montanha, totalmente isoladas, onde se encontram, apesar de tudo, crianças portuguesas que falam perfeitamente o francês (...), não parecem andar aborrecidas e conduzem-nos até ao caminho que desce para o rio Ramiscal". Mas no geral os textos são bastante bons e pode ser que, aconselhados por gente de fora, se tornem mais atraentes para as gentes de cá, ou se revistam de repente de outro charme... Espantou-me foi esta "Terre Sauvage" não ter aparecido nos telejornais. Como é sabido, basta que um português vingue lá fora no negócio do caracol, da limpeza a seco ou do lusco-fusco (esta só perceberão os fãs do Gato Fedorento) para ter direito a reportagem conduzida com patriótico fervor. O melhor mesmo é visitar os sítios aconselhados, com prioridade para o vale do Sabor, onde vivem espécies animais e vegetais em vias de extinção - protegidas pela Natura 2000 - e que, como sabem, está ameaçado pela construção de uma barragem que inundará 2700 hectares de terreno. Se quiserem podem assinar aqui a petição "Por um Rio Sabor sem barragens".