24.11.04

Post Scriptum # 419



Um combate épico pela mão de Affonso Romano de Sant'Ana. Ou de como S.Jorge desce ao quintal e chora o dragão que matou.


MORTE NO JARDIM

Ondulando anéis rubros e negros, a cobra
era bela
e vinha deslizando no jardim
quando a vi
- num misto de temor e êxtase.

Venceu em mim, no entanto, o selvagem
que saiu à caça da presa
que se enroscava
mimetizando-se
com as flores do gramado.

Atiro-lhe na luta a lança
corto-lhe o corpo em uma
duas
três
partes
e nauseado
com o veneno do remorso
afasto-me
deixando atrás a beleza destroçada.

A tarde enrolava rubros e negros anéis sobre as montanhas
e o Sol morria perplexo sobre crisântemos e dálias.

- A poesia
não resgata
- o que matamos no jardim.



Affonso Romano de Sant'Ana.
In Textamentos. 1999.