20.4.04

Diário de Sophie #9.

... sem saber porquê, passei o dia a pensar nele, querido diário. O Valentino, Rudolfo de seu nome. A minha família adorava-o e eu também. Aquela fidelidade ao preto e branco, sem nunca precisar do sonoro para se tornar popular. Bastava-lhe gesticular com toda aquela graça e impetuosidade e, como trocava bastantes vezes o nome dos actores com quem contracenava, isso acabava por ser uma grande vantagem. Lembro-me dele Bailarino, Sheik, Rajah e até Major Cossaco (The eagle 1926). Ou seria tenente? Adiante. Como era invulgarmente belo, Valentino seduzia todas as loiras que lhe passavam à frente. Dizia numa linguagem vernácula e privada:" Ahhh pito dourado!"
E foram todos esses excessos, querido diário, que um dia acabaram com o grande Valentino. Abandonado por todos os amigos, o grande produtor Cecil B. Madaíl incluído, acabou sozinho e sem quase nada no banco. Só restaram algumas acções antigas da PJ Morgan.